Programa de Alimentação do Trabalhador

Programa de Alimentação do Trabalhador

 Por Caroline Faria Brito CRN3 25099/P

 

A preocupação com uma boa alimentação ocorre desde a década de 40 onde iniciou-se a implementação de programas para a promoção a saúde e bem estar. Entre os grupos de destaque podemos ressaltar os trabalhadores, que sempre teve como principal objetivo a alimentação adequada. Tendo em vista todos esses pontos, em 1976 o Programa de Alimentação do Trabalhador (PAT) foi criado, sendo uma das mais antigas e importantes políticas de alimentação e nutrição do país, tendo como objetivo principal a melhoria das condições nutricionais dos trabalhadores, para promoção da qualidade de vida e aumento da produtividade. Desde sua criação até os dias atuais o programa vem sofrendo reestruturações para melhor atender as necessidades dos beneficiados. Em 2006 foi criada uma portaria onde estabelece os parâmetros nutricionais para 600 a 800 kcal nas principais refeições, admitindo acréscimo de 400 kcal e as menores refeições conter de 300 a 400 kcal admitindo acréscimo de 400 kcal. Tal diminuição deu-se devido a transição nutricional cuja a qual nosso país vem sofrendo, onde o número de sobrepeso e obesidade é cada vez maior. A Organização Mundial da Saúde (OMS) em 2004 considerou as empresas que fornecem alimentação coletiva como protagonistas na promoção da saúde, devendo reduzir a quantidade de gorduras, açúcar e sal, elaborando opções mais saudáveis e inovadoras e promover um maior consumo de frutas, verduras e legumes. Por isso a importância do profissional nutricionista frente à Unidade de Alimentação e Nutrição (UAN), como agente promotor à saúde para a clientela. A oferta das refeições aos trabalhadores pode ocorrer através de restaurantes das próprias empresas, serviço terceirizado ou ainda a distribuição de “vale-refeições” ou cestas básica. Falando-se de restaurantes ainda temos os serviços “self-service” ou “a quilo”. Tais modalidades dá ao cliente a autonomia de montagem de suas refeições não garantindo a elaboração de um prato saudável, desse modo o programa visa a estimular as empresas a adotar um processo educativo permanente.  É importante ressaltar que a terceirização do serviço de refeição, adéqua os cardápios quanto as necessidade nutricionais para os funcionários da empresa, melhorando o rendimento da mão de obra e satisfação dos mesmos, visto que são empresas especializadas em tais serviços, com profissionais capacitados para o adequado desempenho técnico. Além desses benefícios, a empresa que aderir ao Programa de Alimentação do Trabalhador ainda possui isenção de encargos sociais sobre o valor da alimentação fornecida e incentivo fiscal (dedução de até quatro por cento no imposto de renda devido).

 

 



naps